Sua startup precisa de uma metodologia ágil?

A atenção à velocidade dos processos na sua startup pode definir o sucesso ou não do seu negócio. Por isso, uma decisão importante para o seu empreendimento é a da caracterização da sua metodologia de trabalho. Como vai funcionar o fluxo de demandas da sua empresa? O que você pode fazer para operá-lo da melhor maneira, sem restrições desnecessárias e inchaços no processo? Talvez uma metodologia ágil (como Scrum ou Extreme Programming – o XP) possa ajudá-lo com isso. Saiba mais sobre como a seguir.

Iteração: a característica chave

A característica definidora do método ágil é que ela gira em torno do conceito de iteração. Uma iteração é, no significado da palavra, uma repetição. Explicamos: na metodologia ágil, parte-se do princípio que passar por um processo de desenvolvimento mais rapidamente diversas vezes, melhorando e aperfeiçoando a cada passagem (a cada iteração, ou a cada versão) é mais eficiente que executar o processo apenas uma vez tentando fazê-lo da melhor forma possível.

Para isto, ele lança mão de algumas ferramentas. A criação de um backlog (ou um conjunto vivo) de ideias que são priorizadas a cada iteração é uma delas, reuniões diárias com a equipe são outro exemplo.

Outra ferramenta fundamental é o protótipo. Prototipagem é essencial para entender e aprimorar o funcionamento do seu produto enquanto se procuram por defeitos e falhas, sem precisar desenvolver código 100% funcional. Desta forma, algum problema é corrigido ainda no protótipo, sem que ela seja transportado para o produto.

Desenvolver junto ao cliente

Há quem pense até hoje que a etapa de desenvolvimento deve ser reclusa, mas a verdade é que, na maioria das vezes, é necessário testar se o produto vai dar certo justamente nesta fase, e não no lançamento. Portanto, converse com os clientes antes, distribua demonstrações e ouça com muito cuidado todo o feedback. Essas demonstrações utilizadas para mostrar e ensinar o consumidor são denominadas mockups. Por meio delas, você pode avaliar tanto a sua escolha de design front-end quanto a usabilidade do seu produto.

Outro ponto do método ágil é que o controle de qualidade é implantado ao longo de todo o desenvolvimento, ao invés de ser efetuado apenas em pontos chave de verificação.

Vantagens e desvantagens de uma metodologia ágil

O trabalho baseado em uma metodologia ágil garante uma sincronia melhor entre a expectativa de quem encomendou o trabalho (seja ele um gerente de produto, ou mesmo o cliente) e a equipe de desenvolvimento. Qualquer descompasso entre um e outro pode ser resolvido a cada iteração, enquanto em um processo mais linear, só seria percebido na entrega. Isto geraria uma quantidade muito maior de retrabalho, que custa recursos financeiros e tempo da equipe.

O ponto negativo é que, em um primeiro momento, o desenvolvimento ágil parece acumular tarefas ao invés de reduzí-las. Processos como priorização de backlog, reuniões diárias da equipe e reuniões de avaliação, a princípio geram mais trabalho, mesmo que no longo prazo estas venham a reduzir seu índice de retrabalho e aumentar a qualidade do seu software.

Sobre a necessidade ou não da implantação de uma metodogia ágil na sua empresa, não há uma resposta apenas. A sua adoção pode tornar o seu desenvolvimento mais rápido e eficiente, mas há também um investimento inicial no treinamento e na mudança em processos que podem já ser bastante arraigados e bem estabelecidos. Por isto, cada caso deve ser analisado individualmente.

Se sua estratégia atual está funcionando bem, não existe a necessidade de mudança, mas se você está tendo dificuldades de priorização de funcionalidades, estimativas de prazo e problemas de qualidade, adotar uma metodologia ágil pode ser uma boa para você!

Com estas informações você será capaz de decidir se os ganhos serão mais expressivos que os investimentos em seu estágio atual de desenvolvimento. Uma boa sugestão é começar aos poucos, desenvolvendo algumas partes menores, ou de menor prioridade com esta metodologia e ir expandindo à medida que a empresa está mais à vontade com ela.

PDCA: A metodologia que vai revolucionar sua startup

Você já ouviu falar em PDCA? A sigla significa Plan, Do, Check, Act (Planejar, executar, checar e agir, em português). O ciclo PDCA é um método de gestão, que pode ser aplicado tanto em processos quanto em produtos. Entenda como estas quatro palavras podem te ajudar na sua startup!

As etapas do método PDCA

O PDCA é dividido em 4 etapas, executadas na seguinte ordem:

1. PLAN

A primeira fase do processo é o estabelecimento dos objetivos a serem alcançados e quais são os processos necessários para isso. O que se espera do produto? Como ele será desenvolvido? Quais técnicas são necessárias à sua construção? Quais métricas serão utilizadas para acompanhar o progresso? Só se move para a segunda fase do PDCA quando já estão claros:

  • Os objetivos buscados
  • O caminho para que o objetivo seja atingido
  • O método que deve ser utilizado para consegui-los

2. DO

É a execução rigorosa do plano criado, obedecendo os métodos escolhidos. Colocar a construção, o desenvolvimento em andamento. Coletar os dados necessários para o levantamento de métricas.

3. CHECK

Após a execução de qualquer processo, são vistoriados os resultados e comparados com aqueles que estavam determinados no plano. O que não saiu de acordo com o esperado? Qual métrica não bateu com a estimativa? Quais são os motivos destes desvios? É a fase onde são detectados os erros e as falhas com o processo.

4. ACT

A última fase do ciclo é a tomada de ações corretivas para os problemas encontrados. São feitos ajustes para sanar as incongruências entre plano e resultado.

Melhoria constante

O PDCA é um método de gerenciamento iterativo. Isto significa que o método é executado diversas vezes (cada uma é uma iteração) e ao final de cada ciclo, se retorna ao início novamente e refaz-se o ciclo.

Na prática, isto significa que todos os processos que passam por ele estão em melhoria contínua. A cada vez que são executados, eles diminuem os erros e se tornam mais eficientes.

Mais que um simples método de controle, o PDCA visa o desenvolvimento de uma mentalidade crítica para a solução de problemas. A análise sistemática de resultados que ele ensina carrega semelhanças marcantes tanto com o método científico de Francis Bacon, quanto com o conceito de melhoria iterativa das metodologias ágeis.

PDCA na prática

Mas como trazer o PDCA para o dia a dia de uma startup? A resposta é bastante simples. A chave é compreender que o PDCA não visa a substituição de nenhum dos processos que acontecem na startup. Quaisquer ferramentas estatísticas, programas de controle de tempo e desempenho podem ser usados. Eles apenas serão organizados e melhorados através de métricas, questionamento e análises.

É recomendável treinar todos os envolvidos para conhecerem o ciclo, não apenas um gestor ou gerente. Como ele é bastante simples, isto não é um problema. Então, implementa-se seu uso em processos menores, para que se expandam à medida que se ganha experiência no seu uso.

O PDCA pode ser usado em qualquer processo que o empreendedor queira controlar e melhorar, desde a emissão de notas até a programação, passando por marketing e vendas. Basta lembrar: Plan. Do. Check. Act!

Você tem alguma experiência com este método? Conte-nos as suas experiências, nos comentários!