Empreendedorismo

Startups: Prepare sua startup para investimentos


Se você está montando uma startup e pretende levantar capital de risco, vale entender algumas premissas importantes, para não cometer erros e se arrepender no futuro. Vou pegar carona em um artigo escrito recentemente pelo Fred Wilson, onde ele sugere algumas métricas para levantamento de capital. Resumo parte do post e então entro na minha sugestão de como você deve se preparar para receber investimentos.

Como lidar com investimentos na sua empresa

Toda vez que você for levantar capital, tente diluir entre 10 e 20% no máximo por round. Quanto menos você diluir por round, melhor. É possível que você tenha que diluir um pouco mais em algum round especifico, talvez até no começo, mas tente equilibrar isso nos próximos, ficando mais próximo de 10% do que de 20%. Se você fizer muitos rounds altos, certamente ficará com muito pouco da empresa e provavelmente nem será mais o controlador, além de correr o risco de se tornar funcionário.

Outro ponto muito importante, não levante capital para um período muito longo, limite-se a 12-18 meses, mais do que isso, você estará com um monte de dinheiro no banco, de um valuation antigo. Se sua startup tem potencial de duplicar todos os anos, porque você iria fazer um levantamento de capital de três anos? Não seria muito mais proveitoso levantar capital uma vez por ano, durante três anos consecutivos? Certamente você receberia mais capital pelo mesmo percentual de diluição.

Com esses pontos em mente e antes de sair para conhecer e conversar com investidores, sugiro que você prepare sua startup. Se for uma startup com potencial, em alguns anos você poderá ter dezenas de sócios, por isso junte os fundadores e faça uma simulação do futuro. Definam a quantidade de rounds que vocês imaginam captar, qual seria o valuation de cada um deles e quanto vocês pretendem diluir em cada um.

Fazendo isso, você conseguirá ter muito claro até que estágio os fundadores serão os controladores da empresa. Posteriormente, quando o controle for perdido, quem seriam os possíveis controladores. Além disso, é possível identificar diversas outras informações, como por exemplo a quantidade de dinheiro que vocês captarão em cada um dos rounds, este dado que servirá de base para você fazer o seu business plan. Você poderá também brincar com as variáveis e entender que pequenas alterações fazem muita diferença e mudam completamente a estratégia de captação de recursos e controle da empresa.

Para lhe auxiliar neste controle, eu preparei uma planilha com uma simulação de uma startup fictícia, com dois sócios, dois conselheiros, um round de investimentos anjo e mais cinco rounds de investimentos de VCs. Você pode copiar esta planilha e brincar a vontade, as células laranjas são editáveis, onde você poderá entrar com os valores referentes a realidade da sua startup. Todo o restante está com fórmulas e cálculos que serão reajustados imediatamente de acordo com os valores dos campos laranjas.

Download da planilha

No primeiro quadro eu estabeleço dois sócios fundadores, onde cada um inicia com 50% da empresa. Note que o total, ao final de cada quadro, é apenas uma referência para caso você cometa algum erro. Este campo precisa sempre estar com o valor 100%.

No quadro seguinte, esses dois sócios resolvem admitir dois conselheiros e em troca dos seus serviços, eles distribuem cotas para estes conselheiros na ordem de 1.5% para cada, sendo que eles só irão diluir a partir do segundo round de investimentos.

Nos quadros seguintes estamos falando de rounds de investimento, sendo que a primeira informação que você precisa definir é o valuation da sua empresa para aquele round. Posteriormente você deve definir quanto será a diluição do round e quais as partes que serão diluídas. Fiz um exemplo onde os conselheiros não diluem no primeiro round, para que você possa copiar a fórmula e replicar caso isso aconteça com outras partes ou outros rounds. Nos rounds seguintes, todos os acionistas diluem.

Com esta planilha fica claro observar o que Fred Wilson comentou em seu artigo, se você conseguir crescer com poucos investimentos e manter os investimentos constantes, é o ideal. No Brasil ainda pode ser difícil conseguir este mérito, mas que fique registrado qual é o melhor caminho.

De qualquer maneira, eu sugiro que você tente manter ao máximo o controle pelos fundadores. Nesta simulação, a startup capta um total de 3.8MM e mantém o controle da empresa até o Series C. De acordo com as estimativas de valuation, os fundadores teriam uma participação de 26.71% de uma pizza que valeria aproximadamente 14MM, imediatamente após o Series C, ou seja, se vendessem a totalidade das suas cotas, estaríamos falando de quase 4MM.

A partir do momento que perde-se o controle da empresa, a estratégia dos fundadores podem e deve mudar, então vale a pena separar bem esses momentos, para ninguém se arrepender, pois a partir do momento que você perde o controle, você pode se tornar empregado.

Não foi uma nem duas startups brasileiras que eu conheci, que se tornaram grandes empresas e seus fundadores perderam o controle da empresa precocemente. Eu espero que com este artigo, os empreendedores tenham mais consciência do valor que eles tem em suas mãos e saibam negociar melhor para maximizar seus interesses e manter o controle e melhores posições por mais tempo.

Empreendedorismo
Startups: Você está preparado?
Empreendedorismo
Startups: Sangue empreendedor
Empreendedorismo
Startups: Sócios co-fundadores
  • Anônimo

    Como SEMPRE, importante e brilhante matéria sobre assunto tão importante quanto!
    Parabéns!
    Malu
    PS – Brilhante também na escolha da foto!!!

  • Não tenho palavras para descrever o quão valiosa veem sendo essa série de artigos. Tópicos que não havia visto em lugar nenhum que serviram de conectores para outros que, apesar de já vistos, pareciam desconexos. 

    Tenho só uma dúvida, espero que possa me ajudar, Marcelo:
    Até que ponto, ou como, a minoridade funciona de obstáculo para a construção de startups? E esses obstáculos, são fáceis de serem transpostos? (Meu parceiro de ideias e eu  temos ambos 16 anos)

    • Arindo,

      Fico feliz que os artigos estejam contribuindo! 🙂

      Sobre a sua pergunta, acredito que de certo modo pode atrapalhar, pois você não teria condições de abrir uma empresa, conta empresarial em bancos e assim por diante.

      Mas de qualquer maneira, acho que existe um caminho longo e importante antes de você fazer qualquer coisa deste tipo, que é garantir que a sua ideia tem um espaço no mercado.

      A partir do momento que você tiver essa resposta e conseguir o comprometimento financeiro de alguns clientes, tenho certeza que não será complicado pedir uma emancipação para sua família ou até pedir para seu pai ou mãe fazerem a ponte para você.

      Boa sorte e grande abraço!

  • Anônimo

  • Fala Marcelo,
     Bom eu acabei desistindo de receber um investimento
    agora, conversando com o socio e outros mentores eles me aconselharam a crescer mais a empresa para que ela adiquira mais valor, só que no final
    das contas cheguei na conclusão de não aceitar investidores. Penso da
    seguinte maneira, o investimento certamente vai alavancar e abrir novas
    portas, principalmente em contratações que é a minha maior necessidade
    agora, só que no final das contas vou ter um socio basicamente pro resto
    da vida, que vai acabar opinando nas decisoes dos fundadores, alem de
    ter direito a uma quantia dos lucros durante o tempo q ele participar da
    sociedade.

    Essa idéia não me agradou, e ouvi diversos relatos de outros empreendedores que passaram por isso q nunca se sentiram
    confortaveis, como um deles mesmo me disse “se você quer voltar para a
    gaiola, arrume um investidor”, e como diz o livro negro do empreededor,
    evite ter socios.

    Ainda estou trabalhando para abordar o assunto investimento de outra maneira, na verdade estamos trabalhando em um
    projeto paralelo que vai render bons lucros em um curto espaço de tempo,
    assim conseguiriamos investir uma quantia razoavel e não perder nada da
    empresa, continuariamos no 50% 50%. Agora é trabalhar e insistir, mas a
    ideia de ainda permanecer no controle absoluto de tudo me deixa mais
    tranquilo e realizado.

  • Parabéns Marcelo, eu acompanho alguns posts sobre startups e a forma como você consegue explicar os termos e estratégias é impressionante. Direto ao ponto e com uma linguagem simples. Ficamos grato por compartilhar.

  • Boa Tarde Marcelo,
    Seria possível você indicar alguns autores que abordam essa matéria?

    Muito Obrigado

    • Oi Roberto,

      No Brasil, acho que ficarei devendo, pois não me recordo de ninguém.

      Já lá fora, acabou de sair um livro bastante interessante do Brad Feld, chama-se Venture Deals. O único problema é que lá ainda é um mundo completamente a parte do nosso, muitas coisas diferem.

      Depois você procurar:

      Fred Wilson
      Jason Calacanis
      Mark Suster
      Chris Dixon
      Brad Feld

      São meus preferidos,  para uma lista completa, procure meu post sobre blogs que eu indico.

      Abraço!

  • Rui

    Uma dúvida (desculpe minha ignorância!), o valor diluído dos investidores das séries, esse capital vai pro bolso do investidor ou para investimento na empresa?

    • Rui,

      Nos casos que eu menciono, os valores sempre vão para a empresa.

      um abraço!