Startups: Quer entrar na moda?

Acreditava enquanto pequeno, que as empresas que existiam antes do meu nascimento, e perduraram durante toda minha infância, monstros como General Motors, Ford, IBM e HP, fossem gigantes imortais.

Cresci com a ideia de que trabalho fosse algo físico e que exigisse muitas mãos, para construir carros, processadores, memórias, computadores ou softwares e que por este motivo, seria quase impossível uma nova empresa alcançar um gigante.

Nunca havia me ocorrido, e imagino que para vocês também não, que dois meninos em uma garagem, poderiam escrever um software e uma década depois, teriam criado uma das empresas mais valiosas, comentadas e promissoras do mundo, acima inclusive das gigantes imortais das quais mencionei. As coisas mudam, e mudam rápido.

Resultado? Novos ídolos. Qual é a criança que quer torcer para o time que esta perdendo? A nova geração olha para o novo, para o promissor, para o que cresce mais rápido, para o futuro.

Abrir uma startup é a última moda nos Estados Unidos, principalmente no Silicon Valley. No Brasil estamos um pouco atrás, mas a onda esta crescendo a passos largos.

Largar a faculdade como Steve Jobs e Bill Gates virou mais do que moda, é a nova tatuagem e o piercing, principalmente se o seu foco for software e internet. Normalmente quem as funda, já detém todo o conhecimento que precisa, então porque perder tempo com universidades?

Quem não quer ficar rico e ter o sucesso que Mark Zuckerberg teve? Fundar o Facebook aos 20 anos e pouco depois figurar na Forbes como um dos homens mais ricos do mundo. Fama. Riqueza. Glamour.

Quem diabos quer ter um patrão? É simples, basta pular a pequena etapa de ter chefes, não consiga um emprego e abra sua própria empresa. Consiga um investimento e você nunca precisará ter chefe na vida. Fácil, não?

Além do mais, se você tiver um chefe, certamente terá que trabalhar muitas horas extras e para os outros, e se você abrir uma startup, poderá trabalhar a hora que quiser e quanto quiser. Certamente poderá sair na quinta-feira para ir a praia e quem sabe voltar na terça para não pegar transito, moleza, né?

Se as razões para você abrir uma startup são essas. Só posso lhe desejar boa sorte, porque este é o único recurso que você poderá contar. Sorte.

Agora, se a razão do seu desejo de abrir uma startup é:

Você ama seu produto ou serviço e é exatamente o que quer fazer todos os dias da sua vida. Mais do que ninguém acredita e tem plena confiança que vai dar certo e que existe um espaço no mercado a ser tomado ou criado. Seus argumentos convencem, entretém e animam todos ao seu redor.

Está ciente de que a maioria das startups quebram nos seus primeiros anos de vida, e que existe uma grande chance de sua startup quebrar, principalmente se for a primeira.

Aceita e entende que o processo de desenvolvimento de uma startup leva anos e exige muitos sacrifícios e o principal deles é trabalhar muito e ganhar pouco.

Então você não quer só estar na moda e você certamente não precisa de boa sorte!

Startups: Sócios co-fundadores

“Estou abrindo uma Startup, devo ou não ter sócios co-fundadores?”

A resposta é simples e objetiva.

Sim!

Explico o porquê:

Uma ideia não vale absolutamente nada. O processo de execução é o inicio de geração de valor para uma startup. Se o produto ou serviço tiver potencial, quanto mais executado, maior valor a startup terá.

Uma empresa, principalmente no início, exige vários tipos de conhecimentos de áreas diferentes e muita mão na massa. O primeiro fato que você precisa assumir é que você não é bom em tudo e não terá capacidades físicas de fazer tudo sozinho.

Razões por que você deve ter sócios co-fundadores

Para quem esta amadurecendo a ideia de abrir uma startup pela primeira vez, dividi-la com alguém, quase nunca é bem visto. São poucas as pessoas que concordam com esta ideia de bate-pronto. Afinal:

“Eu que tive a ideia! Eu que sou o mais experiente! Por que vou dividir a pizza com alguém se eu posso fazer tudo sozinho. Já imaginou se eu ganhar um milhão e ainda ter que dividir?”

Eu diria que todo mundo já teve este posicionamento pelo menos uma vez na vida, comigo não foi diferente. Infelizmente não tive alguém para me orientar a ter um sócio, então fui a luta e tentei fazer as coisas do meu jeito, tentei os pensamentos abaixo, nesta ordem:

  • Consigo fazer tudo sozinho. Resultado: Não consegui.
  • Consigo terceirizar tudo com India/China. Resultado: Saiu uma merda.
  • Consigo contratar gente boa. Resultado: Fiquei quebrado.

Esses pequenos e singelos pontos, resumiram vários anos da minha vida, e todas eles falharam até eu encontrar um modelo viável, sustentável no longo prazo e que não me deixasse quebrado até o fluxo de caixa da startup girar.

Conseguir um sócio por si só é um grande desafio. Vender a sua ideia para alguém, é vender um sonho que a pessoa precisa acreditar, para largar tudo, assumir um grande risco e além de tudo isso, ter que colocar dinheiro. Conseguir convencer um sócio de que a sua ideia vale todos os sacrifícios, é uma grande conquista.

Ele precisa ser escolhido a dedo, afinal você vai passar a maior parte do seu dia ao lado dele, muito mais do que encima do seu colchão, ou com a sua própria esposa/marido:

  • Muitas vezes o sócio nasce de uma grande amizade, mas não tenha pressa, escolha com calma uma pessoa que as ideias sejam compatíveis e que os objetivos de vida sejam similares.
  • Escolha alguém que você consiga discutir sem brigar, e se brigarem, e isso vai acontecer, que saibam rapidamente fazer as pazes sem guardar magoas.
  • Escolha alguém brilhante, inteligente, dedicado, esforçado, leal e confiável.

Fazendo isso, você trará muitas vantagens para sua startup:

  • Equilibrio: Se você tem a cabeça no céu, seria legal ter um sócio pé no chão.
  • Múltiplas especialidades: Se você conhece muito de tecnologia, seria legal ter um sócio que conheça muito de vendas e marketing.
  • Execução com qualidade: Enquanto você trabalhar na parte tecnológica do produto, seu sócio trabalhará na parte de divulgação e venda.
  • Mais capital: É ótimo ter alguém para dividir as despesas até o caixa se tornar positivo.

Para dar mais força aos argumentos, existem vários exemplos de grandes empresas que tiveram sociedades brilhantes:

  • Apple – Steve Wozniak e Steve Jobs
  • HP – Hewlett e Packard
  • Microsoft – Bill Gates e Paul Allen
  • Google – Larry Page e Sergey Brin

Depois de tudo isso dito, você ainda teima, é possível criar uma startup sem sócios?

Absolutamente, principalmente se você tiver capital suficiente e/ou esta não for sua primeira startup. Caso seja sua primeira startup, também é possível, mas é muito raro dar certo e eu não recomendo, vai arriscar?

Resumindo, a não ser que você conheça startups como ninguém ou seja rico, abra sua startup com sócios!

Startups: Sangue empreendedor

A partir do momento que você decide abrir uma startup, o conhecimento técnico deixa de ser algo importante e passa a ser um pré-requisito e você não pode ser nada menos do que uma autoridade no assunto. Mas você tem o sangue empreendedor para ter sucesso?

Quando você chega ao ponto de abrir uma startup, não existe meio termo, ou você da resultado ou quebra a cara e fica de fora do jogo. Não é como provinha de faculdade que bastava ficar acima da média para passar. Se você não tirar dez, você não só vai repetir, como voltará a ser empregado.

Por que sangue empreendedor é fundamental

O que não falta é empresa no mercado fazendo o que você ainda quer começar a fazer. E não fique feliz pensando “Ah, eu sou diferente pois ainda não existem players no meu segmento!”. Ainda. Porque se o seu segmento for interessante, nos meses seguintes ao lançamento nascerão pelo menos dez. Acredite, será muito pior do que você imagina, um deles vai chegar com investimento pesado, outro vai derrubar o preço do mercado tendo muito mais recursos que você, outro vai dar o seu produto de graça, enfim. Para ser e se manter competitivo não basta trabalhar para ser bom, você tem que ser o melhor.

Seja qual for o seu meio de aprendizado, use-o diariamente para o seu aperfeiçoamento. Não acredite nas formalidades da sociedade, acredite no que lhe trás resultado aplicável no mundo real. Um curso universitário hoje em dia, raramente lhe agrega conhecimento para utilização na prática. A maior parte das vezes, se não todas, é uma grande perda de tempo. Faça uma faculdade porque você quer e gosta, mas não confie nele o seu principal aprendizado. Aprenda de outras formas, de preferência sozinho e na prática.

O conhecimento técnico é fundamental para a abertura de uma empresa. Normalmente este conhecimento que você deve ter é sobre o serviço ou produto que você esta criando, por exemplo software. Ou, algum conhecimento que auxiliará o desenvolvimento deste negócio, como por exemplo vendas ou marketing. Neste último caso, é altamente recomendado que você tenha um sócio que detenha este conhecimento. É quase uma obrigação que o conhecimento principal do negócio esteja entre os acionistas.

Não queira se meter em uma área que você não domina. No começo da internet, fui com a cara e a coragem no maior sebo da américa latina. Bati o maior papo com o dono, vendendo que eu poderia colocar todos os seus livros catalogados na internet e que com o comércio eletrônico ele iria vender como jamais sonhou. O dono, depois de me escutar pacientemente durante vários minutos, sorriu e disse:

– Meu insumo vem do próprio cliente, nem sempre eu posso vender sem comprar. Se eu fizer como você falou, em poucos meses estarei morto.

Como se não bastasse a lição, continuou:

– Além disso, a Amazon já veio aqui me contando a mesma estória umas três vezes e todas elas eu disse não.

Eu não entendia nada de livros, muito menos de sebos. Aprendi a lição cedo.

Obviamente que você não pode ser o melhor em tudo e nem ter todos os conhecimentos, por isso entra o balanceamento com sócios. É difícil lembrar de Steve Jobs sem lembrar de Steve Wozniak, ou Bill Gates e não lembrar de Steve Ballmer. São sociedades muito bem equilibradas, cada qual com sua especialidade técnica, é fundamental ter um, principalmente se for a sua primeira startup. O restante contrata-se/terceiriza-se.

É importante também ter um conhecimento básico sobre temas que você vivenciará diaramente, muitos estão citados no mapa mental, estou falando de finanças, rh, gerenciamento, contabilidade, direito, vendas, marketing, etc.

Isso tudo é pré-requisito e se você se empenhar, pode deter o conhecimento e ser o melhor, mas muitos dizem que para ser empreendedor você deve ter sangue empreendedor. Esse termo refere-se ao seu posicionamento e atitude perante a vida.

Além de querer suceder como empreendedor mais do que tudo no mundo, você precisa estar provando todos os dias porque você merece mais do que ninguém chegar lá. Você precisa ler todos os livros, revistas, jornais, blogs, twitters. Ir a todos os eventos/palestras. Estar muito bem relacionado e conhecer todo mundo do segmento. Escrever um blog/Fazer um podcast/Videocast. Trabalhar três/quatro turnos todos os dias. Abdicar de vida social. Ter foco. etc.

Isso é ter sangue empreendedor, é posicionamento e atitude focada em ser o melhor, em cada minuto da sua vida. Ninguém vai te ensinar a ser assim, ou você é, ou talvez não seja empreendedor.

Startups: Você está preparado?

Você está preparado para ter sua startup? Este é o primeiro post da série Startups, iniciando pelo primeiro item do mapa mental “Como abrir uma empresa?”. Para não ficar longo, dividi inicialmente em quatro artigos:

  • Experiência profissional (Este artigo)
  • Conhecimento técnico
  • Conhecimento compartilhado (co-fundadores)
  • Motivos legítimos para abertura de uma Startup

Vamos ao primeiro:

O ser humano tem uma necessidade natural de competir em praticamente todas as áreas. No mundo corporativo não é diferente, o objetivo é ganhar mais e escalar até o topo da montanha, até um dia quem sabe, ser o presidente da empresa.

O pequeno detalhe é que essas vagas são limitadas e poucas pessoas de fato conseguirão chegar até lá. A maioria delas tenta, mas no meio do caminho desistem e acabam escolhendo uma vida confortável, mas sem luxo.

Não adianta dizer que é diferente, no fundo, todo mundo gostaria de ser rico e dono de uma empresa bem sucedida. Pode até ser, que nos seus primeiros anos como profissional, você acredite que poderá chegar até o topo, mas conforme os anos passam, você percebe que a vida não é um conto de fadas, e que chegar até lá, não é tão trivial assim.

Estar preparado é fundamental

Abrir uma Startup (empresa), pode ser uma alternativa, mas você precisa estar preparado. Você esta? Você precisa ter motivos e objetivos legítimos. Você tem?

No começo de carreira, todo mundo sofre e leva esporro do chefe. Todo mundo recebe menos do que deveria e é pressionado a trabalhar dezoito horas por dia e fazer mais do que qualquer ser humano é capaz. Todo mundo se estressa, perde cabelos, ganha olheiras, engorda. Todo mundo tem aquele colega puxa saco ou puxador de tapete, que quase sempre é o cara que é promovido na sua frente. Todo mundo não é reconhecido como deveria, é sub-aproveitado e acha que poderia estar fazendo mais pela empresa. Etc, etc, etc.

Quer sabe o que é isso? É o que você irá viver todos os dias da sua vida se quiser ser um empreendedor. É aqui que você aprende o jogo político das corporações. A malícia. O jogo de cintura. O que é certo ou errado. O que você não gosta de ouvir e o que gosta. É a realidade. A verdade nua e crua, que nenhuma faculdade ou MBA poderá lhe ensinar.

Assim como existem pessoas que trocam de empresa na primeira dificuldade, existem as que resolvem abrir uma startup. Como você deve imaginar, esse é o motivo errado, e a chance de dar certo, é mínima.

Estar frustrado por causa dos problemas acima não pode ser o seu motivo, passar por tudo isso é importante para que você consiga se preparar. Saber crescer e se movimentar dentro de uma organização é difícil, mas quando acontece, é um dos sinais de que você esta se tornando preparado.

Se isso ainda não aconteceu com você, lembre-se que o mesmo não que você leva hoje como empregado, será o não que você levará como empreendedor. Antes de ir para a guerra, aprenda a transformar o não em sim, no treinamento.

Quantos leitores tem o seu blog?

Se você quer aumentar o número de leitores do seu blog, você precisa entender o compartamento de quem lê o que você escreve. Para isso, você precisa ter dados para mensurar as suas ações/posts/artigos e definir se foi positivo ou negativo.

Atualmente eu utilizo uma serie de ferramentas para isso:

As duas primeiras são um pré-requisito para qualquer blogueiro. O FeedBurner especificamente controla ao longo do tempo quantos leitores ativos você tem. Para um blogueiro, este é um dos dados mais importantes, saber quem de fato é cativo. Número de acessos e pageviews é legal, mas o número de leitores para um blogueiro pesa muito mais.

Eu comecei a blogar em 1998, época em que o termo ainda estava amadurecendo e muitos ainda chamavam de web log. Não existiam softwares prontos como existem hoje, como o blogger, blogspot, wordpress, etc. Os que queriam um blog tinham que fazer o seu na mão. Os analytics para sites existiam, mas o conceito de feed e leitores ainda não. A grande verdade é que eu só comecei a levar a sério blogar em Dezembro de 2009, quando transformei meu blog de Inglês e extremamente técnico, para Português e encontrei o meu nicho de assunto.

Foi também a época que eu comecei a controlar meus leitores ativos, vejam o gráfico abaixo, gerado a partir de dados do FeedBurner, ele mostra a evolução percentual dos meus leitores:

É fundamental para o blogueiro ter acesso a um bom analytics e um bom contador de leitores, mais ainda, é fundamental para a motivação. Se você é um blogueiro e ainda não utiliza essas ferramentas, já tem uma meta, clique nos links acima e coloque o Google Analytics e FeedBurner no seu blog, tenho certeza que vai lhe auxiliar e ter melhores resultados.